Home / Categoria / Recentes

Primeiro semestre é mal aproveitado por eventos esportivos

por Daniel Krutman em Marketing - 08/01/2019

Organizadores de eventos esportivos levam muito a sério a máxima de que o ano só começa depois do Carnaval.

O resultado desta crença – e de um calendário concebido “no automático” – é que não há o mesmo aproveitamento de mercado no primeiro e no segundo semestre do ano.


Números comprovam: em 2018, 58% das vendas de inscrições se concentraram no segundo semestre do ano.


Janeiro não existe

Janeiro é, de longe, o mês com menos eventos no ano, e sofre com o rótulo de que, “no alto verão as pessoas não praticam esporte ou estão de férias”.

Trata-se de uma premissa antiga, ultrapassada.

Faça seu evento cedo, com largada 6h da manhã. Faça seu evento noturno, quando o sol já se pôs. Escolha regiões arborizadas, com sombra.


Enfim, há um espaço nada aproveitado em janeiro. 


Mas não é só o primeiro mês do ano: o primeiro semestre todo tem um ritmo menor de eventos, o que gera uma grande oportunidade aos organizadores.

“Oras mas o Brasil só começou a crescer no segundo semestre do ano passado”. Não procede, já que em 2017, 55% dos eventos foram feitos á partir de 01/07. Em 2016, 52%.

Aliás, esta concentração só vem aumentando, seria tendência?

Efeito calendário

Mas porque o segundo semestre teve quase 15% mais finishers do que no primeiro semestre de 2018?

1. Há mais provas internacionais com grande presença de brasileiros. Mais treinos em solo nacional.

2. Tem muita gente com o projeto verão em curso, em momento fitness.

3. Há muito tempo as corridas se acomodaram no segundo semestre porque só conseguem aprovar os calendários com as prefeituras no inicio dos anos. E isso gera um efeito cascata para outros anos, afinal, a maioria dos eventos ganha a data pela história, e não pelo projeto.

4. Por falta de planejamento o ano começa e o calendário não está pronto. Para ter um período relevante de vendas é melhor atrasar o lançamento para o segundo semestre.

5. Crença dos organizadores de que no verão não é possível fazer eventos.

E claro: o ano só começa depois do carnaval.


E você pode achar mais motivos para não quebrar esse ciclo vicioso.


Mas o que o participante quer?

Pare para pensar. Metade dos fatores acima não têm nada a ver com o que o atleta deseja, mas está relacionado á planejamento ou histórico.

Quem corre quer correr o ano todo, e tem sim uma demanda equivalente entre o primeiro semestre e o segundo.

Quem quer pedalar, quer pedalar em janeiro, em fevereiro, em março…

Quem nada está louco por mais provas no verão, é a oportunidade de ir á praia e ter uma prova com estrutura.


Não espere para ocupar espaços no calendário, mesmo quando há desafios nesta implantação.


Seus concorrentes ainda não estão lá.

O primeiro semestre já começou, e cheio de oportunidades.


RELACIONADOS

Image

Como usar a concorrência a favor do seu evento!

18/01/2019 Dicas
Concorrência é algo que está presente nos mais distintos mercados, seja de um serviço, produto ou evento, as chances de você não ter um concorrente são muito baixas. Mas ter um não significa que você vai perder [...]
Image

Pós-prova: 5 referências para inspirar o seu evento em 2019

16/01/2019 Cases
Corrida de rua, triathlon ou ciclismo, não importa o tipo de evento, o momento mais conhecido como pós-prova, quando a prova é finalizada, é a oportunidade de gerar mais valor a experiência adquirida pelo participan[...]